Derivados do petróleo, material de transportes e carnes apresentaram as maiores taxas de crescimento nas exportações

As vendas para o exterior cresceram 15,3% no primeiro bimestre

Crédito: Gilson Abreu

A balança comercial paranaense encerrou o mês de fevereiro com um saldo positivo de 343,9 milhões de dólares. O resultado é 45,9% maior do que o saldo do mesmo mês em 2016. Os itens que apresentaram as maiores taxas de crescimento nas exportações foram produtos de petróleo e derivados, que tiveram um aumento 744,14%; material de transportes, com acréscimo de 62,19%; carnes apresentou uma elevação nas vendas de 34,30%; e mecânica com aumento de 29,63%. Os dados são do relatório Desempenho do Comércio Exterior Paranaense, elaborado pela Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep) com base em informações do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços.

Os itens que mais contribuíram para a entrada de receitas em dólar para o Estado foram os produtos do complexo soja, que somaram US$ 478,5 milhões; carnes com 443,6 milhões; material de transportes US$ 280,5 milhões; e madeira US$ 151,1 milhões.

As exportações paranaenses tiveram um crescimento de 15,30% no primeiro bimestre, se comparado ao mesmo período do ano anterior, atingindo US$ 2,161 bilhões em mercadorias vendidas. “Os dados mostram que apesar da recessão econômica pela qual o país passa, alguns segmentos que exportam estão conseguindo contribuir para o equilíbrio da balança comercial do Estado bem como no esforço de retomada do crescimento da atividade industrial”, analisa o gerente de Economia, Desenvolvimento e Fomento da Fiep, Marcelo Percicotti.

Destinos das vendas paranaenses

Os principais mercados consumidores de produtos paranaenses foram: a China, que comprou US$ 247,8 milhões em soja; a Argentina, que movimentou US$ 92,1 milhões na aquisição de automóveis de passageiros; os Estados Unidos, que importaram do Brasil US$ 23,8 milhões em madeira perfilada; e a Arábia Saudita, que comprou US$ 93 milhões em carnes e miudezas.

Os países que tiveram as maiores taxas de crescimento nas compras de mercadorias paranaenses nos dois primeiros meses do ano foram a economia iraniana, com aumento de 356% e a Angola que importou do Paraná 137%.

O que o Paraná compra

As importações continuam crescendo no ano e movimentaram US$ 1,8 milhão em aquisição de mercadorias e serviços até fevereiro. Os dados acumulados apontam um aumento de 20,3% no primeiro bimestre em relação ao mesmo período de 2017.

Apresentaram taxas de crescimento consideráveis a importação de carnes, bebidas e cereais. Em valores, os grupos de produtos que mais contribuíram foram: produtos químicos, com uma movimentação de US$ 478,5 milhões; petróleo e derivados, que acumulou US$ 291,2 milhões; material de transportes, com importações no total de US$ 240 milhões; e materiais elétricos e eletrônicos, que representam US$ 140,7 milhões.

Os Estados Unidos foram o país que mais vendeu para o Paraná. A relação de compra de óleos de petróleo movimentou US$ 265,5 milhões. A China vendeu US$ 157,5 milhões em adubos. O Paraná comprou veículos de transporte de mercadorias da Argentina, que acumulou US$ 40,5 milhões. Por último, a compra de milho paraguaio movimentou US$ 21,3 milhões.

Confira o relatório completo.