Caterpillar inaugura fábrica em Campo Largo

Para vice-presidente da Fiep, Nelson Hübner, presente no evento, instalação traz boas oportunidades para setor metalmecânico

O vice-presidente da Fiep, Nelson Hübner (direita) e o presidente do Sindimetal-PR, Alcino Tigrinho, visitaram a linha de produção da Caterpillar (Foto: Mauro Frasson)

A Caterpillar Brasil, empresa do segmento de máquinas de construção e mineração, inaugurou nesta terça-feira (18), em Campo Largo, região metropolitana de Curitiba, uma nova planta industrial para fabricação de retroescavadeiras e carregadeiras.

Com 50 mil m² de área construída, a nova unidade representa um investimento de R$ 170 milhões no município e responde, nesse primeiro momento, por 260 empregos diretos, com previsão de chegar a 2013 com mil postos de trabalho quando a fábrica atingir sua plena capacidade produtiva.

O vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), Nelson Hübner, que representou o presidente Edson Campagnolo no evento, disse que a instalação da Caterpillar na região traz uma série de benefícios. “Os efeitos positivos serão muito grandes, pois a empresa vai precisar de uma cadeia de fornecedores.”, avalia. Segundo ele, já existe no Paraná uma base de fornecedores instalada com capacidade de atender a esta demanda. A Caterpillar tem como princípio trabalhar com, pelo menos, 60% dos componentes de suas máquinas produzidos no Brasil. “É algo novo no Estado que vai ao encontro de um anseio de todos nós do setor metalmecânico.”, diz Hübner.

Também o presidente do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico do Estado do Paraná (Sindimetal-PR), Alcino Tigrinho, vê com otimismo a instalação da empresa no Estado. “A Caterpillar vai movimentar outros segmentos, vários tipos de empresa, isso movimenta a população e ativa o comércio.”, avalia ele, que considera a instalação da fábrica em Campo Largo como “um divisor de águas” no desenvolvimento do município.

Segundo o presidente da Caterpillar Brasil, Luiz Carlos Calil, a maior parte da produção da nova unidade será destinada ao mercado doméstico, onde vê boas perspectivas de crescimento. “O Brasil vai ter que investir muito em infraestrutura.”, observa. No que se refere à força de trabalho, ele adianta que 85% da mão de obra será de Campo Largo.

A solenidade de inauguração da planta contou com a presença do governador Beto Richa, dos secretários de Estado José Richa Filho (Infraestrutura e Logística), Luiz Cláudio Romanelli (Trabalho e Emprego), Luiz Carlos Hauly (Fazenda), Ricardo Barros (Indústria Comércio e Assuntos do Mercosul), Cezar Silvestri (Desenvolvimento Urbano), além do prefeito de Campo Largo, Edson Basso.

Deixe seu comentário

Seu email nunca será compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados *

ASSISTA