Aprimoramento cognitivo é uma das vantagens do ensino bilíngue

Aprender em duas línguas melhora a compreensão linguística, além de promover tolerância frente a outras culturas

Aprender em dois idiomas simultaneamente gera uma maior flexibilidade mental e um refinamento cognitivo (Foto: Gelson Bampi)

Na hora de decidir a matrícula escolar, várias questões costumam ser levadas em consideração: localização, estrutura, método de ensino, entre outros pontos. Quando se opta por uma escola bilíngue, em um primeiro momento, pais e estudantes enxergam a fluência em uma segunda língua como uma vantagem para o mercado de trabalho, por exemplo. Entretanto, o ensino bilíngue vai muito além: fora os ganhos sociais, aprender em dois idiomas simultaneamente gera uma maior flexibilidade mental e um refinamento cognitivo.

“O estudante vai conseguir expressar os mesmos pensamentos usando línguas diferentes, e isso gera um aprimoramento cognitivo, vai impactar no desenvolvimento de seu pensamento crítico. Por conta disso, o estudante adquire uma maior compreensão linguística, e estudos afirmam que quem é bilíngue tem mais facilidade de aprender uma terceira língua, justamente por desenvolver mais conexões neurais”, explica a pedagoga do Colégio Sesi Internacional de Curitiba, Giovana Chimentão Punhagui.

Giovana destaca também outro lado do ensino bilíngue: ao vivenciar diariamente um idioma estrangeiro, há o contato e conhecimento sobre a cultura de outro país. “Não se trata somente da aquisição da língua inglesa, o estudante desenvolve também mais tolerância frente a outras culturas,. Isso é muito forte na educação bilíngue”.

A aprendizagem do segundo idioma costuma ser rápida. Segundo Lilian Luitz, gerente de educação do Sesi, alunos que entram com inglês básico no primeiro ano do Ensino Médio costumam já passar para o nível intermediário em poucos meses. “Temos 50% do conteúdo ministrado em inglês e, depois do horário regular, o aluno pode participar dos afterschool workshops, com temas de interesse do aluno e totalmente ministrados em inglês”. Atividades como teatro, fotografia e esportes fazem parte da oferta curricular.

Um dos objetivos dos conteúdos ministrados em inglês, diz Giovana, é fazer com que o aluno desenvolva a língua para poder se comunicar sobre qualquer tema. “Ele pode falar sobre economia, política, cultura, ciência, colaborando para seu futuro profissional”.

Todos os alunos que ingressam no Sesi Internacional realizam o TOEFL Junior Test, que identifica o nível de proficiência no inglês. “Escolhemos esse teste para fazer o nivelamento dos alunos por ele utilizar o Quadro Comum Europeu de Referência para Línguas, que é reconhecido em todo o mundo e estabelece um padrão na qualidade dos níveis. Depois que identificamos o nível de inglês do aluno, os professores de nossa equipe recebem essas informações para que possam saber quais níveis da língua a turma que vão lecionar apresenta e, então, aplicarem estratégias em suas aulas do período regular que favoreçam a aprendizagem tanto do conteúdo ministrado, quanto da língua. Além disso, o nivelamento também auxilia na formação de turmas para o nosso laboratório de línguas no período extracurricular”, complementa. Fora as aulas regulares (das 8h às 15h20), os alunos têm aulas extracurriculares e contam com o laboratório de línguas, uma espécie de “escola de inglês” dentro do colégio, onde o estudante pode trabalhar o aprimoramento da língua. Duas vezes ao ano, os alunos realizam o simulado dos exames de Cambridge, preparando-os para o exame oficial, que comprova o desenvolvimento do idioma.

Método

Metodologia do Colégio Sesi Internacional foi reconhecida como Showcase School pela Microsoft (Foto: Gilson Abreu)

Fundado em 2014, com a primeira unidade em Curitiba, o Sesi Internacional segue a mesma metodologia da rede Sesi (que conta com mais de 50 unidades em todo o estado), com a vantagem do ensino bilíngue. Com disciplinas ministradas em português e inglês, os conteúdos são trabalhados contextualizados em um projeto: as Oficinas de Aprendizagem, ofertadas a cada bimestre com um desafio a ser estudado. As turmas são interseriadas e o método busca formar pessoas autônomas e preparadas para o mercado de trabalho. Além disso, as avaliações e trabalhos são realizados individualmente e em equipe e os alunos têm a liberdade de escolher quais oficinas vão cursar durante o bimestre. “O fato de ele fazer suas escolhas e se posicionar já gera essa autonomia. Como o trabalho é em equipe, uns ajudam e outros não, e é preciso saber negociar e todos precisam contribuir. Os próprios alunos que interferem. Também buscamos ouvir os alunos, fazemos assembleias com temas que eles consideram problemas. A escola é do aluno, é uma construção democrática”, destaca Lilian.

O posicionamento ativo no ambiente escolar, fala a gerente, gera um impacto positivo no mercado de trabalho. “É um profissional que sabe administrar conflitos e argumentar, ele sai pronto para o mercado de trabalho e para a universidade pelas competências que ganha. Tem um espírito de vida, do prazer de aprender”.

Expansão

O Colégio Sesi Internacional conta atualmente com duas unidades: uma em Ponta Grossa e outra em Curitiba – a da capital, que começou em 2014 com 86 alunos, terá 200 alunos em 2016, e foi reconhecida como uma Showcase School pela Microsoft, pela metodologia inovadora.

No ano que vem, começam a funcionar as unidades em Cascavel, Maringá e Londrina, cada colégio com 60 vagas. “Escolhemos cidades polo para essa expansão, e caso a gente sinta a necessidade das empresas e da indústria, pensaremos em outras cidades. Mas a intenção é que ele não se transforme em uma rede normal, com vários colégios”, salienta Lilian.