Trabalhos inovadores podem ganhar R$ 21 mil no Prêmio EletroMetalCon

Edital vai ser disponibilizado na terça-feira e as inscrições ficam abertas até 2 de abril

A partir de terça-feira (dia 12), universitários e pós-graduandos de todo Brasil podem se inscrever no 10º. Prêmio EletroMetalCon de Projetos Inovadores com Aplicabilidade nas Indústrias Metalúrgica, Mecânica, Eletrônica, de Materiais Elétricos e Construção Civil, promovido pelo Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico do Norte do Paraná (Sindimetal Norte Pr) e o Sindicato da Indústria da Construção Civil do Paraná Norte (Sinduscon Paraná Norte), com o apoio da Sercomtel, Senai, Sesi e patrocínio da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep).

A premiação vai destinar R$ 21 mil para os três melhores projetos, sendo R$ 11 mil para o 1º. lugar; R$ 6 mil para o 2º. colocado e R$ 4 mil para o 3º.colocado. As inscrições podem ser feitas até às 18 horas do dia 2 de abril de 2018.

A ideia é incentivar o empreendedorismo e valorizar a produção de projetos inovadores com aplicabilidade prática no desenvolvimento econômico, social e tecnológico das indústrias envolvidas. Atualmente, o setor EletroMetalMecânico é um dos quatro segmentos com maiores oportunidades de inovação para a região de Londrina, sendo o segundo em número de empregos e o que menos apresentou retração na geração de empregos entre 2010 e 2015, de acordo com o Mapeamento de Ecossistema de Inovação de Londrina, realizado pela Fundação Certi e Sebrae, cujo levantamento completo vai ser lançado em fevereiro.

O levantamento apontou que, juntamente com a Cadeia do Agronegócio e as áreas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e Química e Materiais, o setor EletroMetalMecânico tem grande potencial de expansão, já que possui boa quantidade de mão de obra formada nos cursos técnicos e universitários, mercado local para absorver os talentos formados e presença de talentos capazes de alavancar o setor.

Entre os aspectos negativos, um dos problemas é a distância que ainda existe entre a academia e o setor. “O prêmio surgiu há 10 anos, justamente para aproximar as universidades da indústria, com a proposta de buscar aplicabilidade aos trabalhos de conclusão de cursos, aproveitando o potencial criativo dos estudantes e também dos mestres e doutores orientadores”, explica o presidente do Sindimetal Norte Pr, Valter Orsi.  Para ele, a premiação é “uma forma de trazer tecnologias inovadoras para o segmento, tornando-o mais competitivo e com resultados consistentes”.

Segundo Orsi, nessas 10 edições, vários trabalhos que foram premiados já estão fazendo a diferença na indústria brasileira. Com um número de inscrições maior a cada edição, o prêmio também mostra que o potencial tecnológico para produção tem muito campo a ser explorado. “O grande desafio que lançamos é desenvolver trabalhos inovadores que possam ampliar o valor agregado dos produtos, modernizar a indústria, gerar mais competitividade e mais empregos”, diz.

Já o segmento da Construção Civil, embora tenha sofrido com a recessão econômica dos últimos anos, tem boas perspectivas para 2018, com a ligeira recuperação na macroeconomia brasileira, confirmada pelos dados do Monitor do PIB-FGV, da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Segundo o Monitor, a construção civil e a formação bruta de capital fixo (acréscimo de investimentos das empresas para aumentar a sua capacidade de produção) vêm mostrando melhoras nos últimos boletins. E precisa, nesse momento, de novas ideias para reduzir custos, otimizar recursos e promover uma verdadeira inovação no setor.

O presidente do Sinduscon Paraná Norte, Rodrigo Zacaria, explica que a tendência de recuperação do segmento é muito forte. “Principalmente porque Londrina é uma cidade dinâmica, que responde rapidamente a qualquer melhoria na economia”, explica. Além disso, segundo ele, a cidade tem um corpo universitário muito bom, com mais de 20 cursos de engenharias diversas, como uma excelente formação de mão de obra técnica. “Esse prêmio é a pavimentação de todo esse setor, movimentando os universitários daqui e trazendo gente de fora, num estímulo interessante ao talento e à troca de experiências, aproximando a academia do mercado”, diz.

Ele cita o exemplo do vencedor do prêmio do ano passado, um universitário de Santa Catarina que apresentou o projeto de uma solda robotizada que entusiasmou estudantes e profissionais. “O segundo colocado, cujo trabalho era da minha área de especialização, ainda não tinha montado um protótipo e eu pude ajudar com alguns questionamentos”, aponta.

Os trabalhos inscritos no 10º Prêmio EletroMetalCon de Projetos Inovadores são submetidos a uma comissão de avaliação formada por professores e empresários das áreas Metalúrgica, Mecânica, Material Elétrico, Eletrônica e Construção Civil, indicados pela organização do prêmio. Os três melhores trabalhos são escolhidos para apresentação durante o Fórum EletroMetalCon,  de 8 a 10 de maio de 2018, no Senai Londrina. Uma nova comissão, formada por 30 profissionais da área, vai definir o primeiro, segundo e terceiro colocados em votos secretos, no dia 7 de maio. A urna é aberta para apuração dos votos no dia 08 de maio, durante a abertura oficial do Fórum EletroMetalCon 2018 e os vencedores, divulgados na solenidade.

O edital está disponível e as inscrições já podem ser feitas no endereço www.senailondrina.com. Basta seguir as orientações do formulário online disponível, que foi desenvolvido pela Sercomtel, e respeitar os critérios do Edital e Regulamento do Prêmio.

Premiados de 2016

No ano passado, o projeto “Sistema Para Soldagem Automatizada Tig Orbital de Tubos de Pequeno Diâmetro” da Universidade Federal de Santa Catarina recebeu o primeiro lugar da nona edição do prêmio. O segundo lugar foi para o projeto da Faculdade de Pato Branco – Fadep, com o tema “Utilização de Valas de Infiltração para Sistemas de Drenagem Urbana” e, em terceiro, ficou o projeto da  Universidade de Taubaté (Unitau) denominado “IPAI – Interruptor Programável Automático Individual”.