Workshop debate caminhos para aumentar segurança viária

Evento promovido pelo Sistema Fiep, em parceria com Unitar e Cifal, reúne especialistas do Brasil, México, Argentina e Espanha

Especialistas da área de trânsito participam, nesta terça e quarta-feira (1º e 2), em Curitiba, do workshop “Aprimorando a Segurança Viária na América Latina”. Realizado pelo Sistema Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), em parceria com o Instituto de Treinamento e Pesquisa das Nações Unidas (Unitar) e o Centro Internacional para Formação de Atores Locais (Cifal Curitiba), apoio da Diageo, o evento tem o objetivo de compartilhar boas práticas e promover a reflexão sobre hábitos e costumes no trânsito.

O presidente do Sistema Fiep, Edson Campagnolo, que participou da abertura do workshop, destacou que os acidentes de trânsito são um dos principais motivos para afastamentos de colaboradores das empresas. “Nesses dois dias será feita uma imersão nesse tema e espero que possamos trazer contribuições para reduzir esse problema”, afirmou. Campagnolo destacou ainda que o Sistema Fiep é apoiador de várias iniciativas das Nações Unidas em prol do desenvolvimento social, tanto que abriga em sua estrutura, em Curitiba, um dos 16 escritórios do Cifal espalhados pelo mundo.

O superintendente do Sesi no Paraná, José Antonio Fares, também ressaltou a parceria do Sistema Fiep com o Unitar. “Estamos com este movimento porque o Sistema Fiep prioriza todas as atividades voltadas para o desenvolvimento social e humano, para fazermos de nosso país um lugar melhor”, disse.

Já o diretor do Departamento de Trânsito do Paraná (Detran), Marcos Traad, elogiou a iniciativa do workshop e defendeu ações de educação para o trânsito mais intensas no país. “Cada vez mais investimos em atividades de educação para o trânsito pontuais, fazendo menção a algumas datas, como o Maio Amarelo, que é um projeto extremamente exitoso. Mas é perceptível a intensidade com a qual nos debruçamos sobre essa questão em determinados momentos e não fazemos educação para o trânsito continuada ao longo do ano todo”, declarou.

Traad também afirmou ser necessário garantir recursos para a fiscalização do trânsito. “Será que conseguiremos superar essas barreiras e reverter o cenário dos acidentes de trânsito sem investimentos, sem recursos, sem fiscalização?”, questionou. “Precisamos traçar um perfil real da situação que hoje nos assola, que são cerca de 50 mil mortes no trânsito por ano, e observar o que tem sido feito em relação aos contínuos cortes de orçamento, que não definem a prioridade de um país que desembolsa R$ 55 bilhões por ano devido a acidentes de trânsito”, completou.

Quem também participou da abertura do Workshop foi o superintendente da Polícia Rodoviária Federal (PRF) no Paraná, Adriano Marcos Furtado. Ele destacou avanços nas questões de segurança viária ocorridas nas rodovias federais nos últimos anos, que fizeram com que o número de mortes nessas estradas caísse das 9 mil registradas em 2011 para 6,8 mil ocorridas em 2015. “Esse número ainda não é uma realidade que nos agrada, mas a redução já equivale a R$ 12 bilhões de custo social que não foram assumidos pelo poder público”, afirmou. Furtado também explicou que, em muitos casos, reduções de acidentes nas estradas podem ser obtidas com ações simples e com baixo custo, como a melhoria da iluminação de determinados trechos, como trevos ou perímetros urbanos.

Além de autoridades e profissionais brasileiros ligados à área de trânsito, o workshop também tem a participação de especialistas do México, Argentina e Espanha.

About Author