Necessidade de mudanças na gestão pública marcam discursos na posse do novo presidente da Fiergs

Lideranças da região Sul reforçaram a importância da moralização da administração pública e da implantação de políticas que incentivem o investimento produtivo

A necessidade de mudanças no sistema político e de aumento de eficiência da gestão pública marcaram os discursos na posse do novo presidente da Federação e do Centro das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs/Ciergs), Gilberto Porcello Petry, em substituição a Heitor José Müller. Na solenidade, realizada na noite desta terça-feira (18), em Porto Alegre, lideranças industriais da região Sul reforçaram a importância da moralização da administração pública, da modernização de uma série de marcos legais e da implantação de políticas que incentivem o investimento produtivo, fatores essenciais para que o país supere a crise e alcance desenvolvimento.

Confira fotos da solenidade

Ao assumir para a gestão 2017/2020, Petry comprometeu-se a ser um porta-voz dedicado e esforçado do setor. Em seu discurso, também destacou que a Fiergs e o Ciergs são entidades que não se filiam ou se aliam a qualquer partido político. “Nosso alinhamento é com o setor industrial, com o desenvolvimento do Rio Grande do Sul e do Brasil, e com a ética e a decência nos negócios, especialmente para aqueles que digam respeito à administração pública”, afirmou, salientando que as dificuldades das empresas não são virtuais, mas problemas concretos que precisam ser resolvidos.

Para Petry, o empresariado enfrenta uma lista de situações e imposições contrárias à produção. Entre elas, a enorme burocracia, a tributação elevada, o crédito seletivo caro, os juros elevados e o diminuto investimento na infraestrutura e logística. No âmbito da governança política, defendeu que a turbulência atual no país há de abrir espaço para um novo modelo político. “Nosso modelo político se esgotou. Nesse processo, instalou-se uma confusão ou, no mínimo, sobreposição dos Poderes Constituídos”, comparou. “Da mesma forma, queremos uma nova governança econômica. Por isto, apoiamos as Reformas da Previdência, Trabalhista e Tributária. São modernizações imprescindíveis que integram o elenco de mudanças necessárias”, declarou. “Nos próximos três anos, vamos trabalhar intensamente no rumo das novas governanças política e econômica que ora propomos”, finalizou.

Acesse e leia o discurso de Petry na íntegra

Heitor José Müller desejou sucesso ao novo presidente e um novo momento para o País. “Se houvesse o encontro do Estado Brasileiro com a Nação Brasileira, o nosso país, sem qualquer dúvida, seria imbatível. Espero que, durante a próxima gestão da Fiergs, o Brasil possa começar uma nova história”, disse.

Acesse e leia o discurso de Müller na íntegra

Já o presidente da Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), Glauco José Côrte – que representou na solenidade o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade – salientou que, nesses momentos de dificuldades, todos devem se unir. “A crise nos impede de crescer, mas não podemos nos render, permitir que ela tome conta e paute a nossa agenda”, disse.

O presidente da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Edson Campagnolo, que participou da solenidade de posse, desejou sucesso a Petry no comando da Fiergs e também ressaltou a necessidade de união do setor produtivo e de toda a sociedade para que o Brasil retome o caminho do crescimento. “As questões que o país enfrenta hoje, com uma administração pública pouco eficiente, uma máquina inchada e uma carga tributária elevada, são fruto do descaso daqueles que ocupam os cargos de decisão”, afirmou Campagnolo. “A sociedade precisa se manter vigilante para fazer com que seu desejo de um país justo e desenvolvido se concretize. Isso só ocorrerá se a sociedade organizada estiver unida”, completa.

About Author