Institucional > FIEP

Vendas industriais têm queda de 7,4% em 2016 no Paraná

O desempenho negativo provocou também retração de 4,3% no nível de emprego

Quatorze dos 18 gêneros pesquisados tiveram desempenho negativo em 2016; maior queda foi na indústria moveleira

As vendas da indústria do Paraná recuaram 7,4% em 2016, em comparação com 2015. Houve retração nas vendas dentro do território paranaense (-10,77%), para outros Estados (-3,12%) e para o exterior (-5,92%). A queda nas vendas repercutiu negativamente no nível de emprego industrial, que registrou um recuo de 4,3% no total e de 1,9% no pessoal diretamente ligado à produção. Os dados são da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep).

“Foi o terceiro ano consecutivo de queda nas vendas industriais paranaenses, fato nunca antes registrado em toda a série histórica da pesquisa realizada pela Fiep desde 1986”, observa o presidente da Federação, Edson Campagnolo. Ele lembra que as quedas sucessivas foram de 6,4% em 2014; 8,44% em 2015 e 7,4% em 2016, acumulando uma retração de 20,56% nos últimos três anos. No número de empregos industriais a queda acumulada chega a 8,75%.

Sinais de crise – “Em qualquer ambiente econômico são estes sinais característicos de uma crise”, alerta Campagnolo. De acordo com ele, o fraco desempenho da indústria advém dos típicos e clássicos problemas da economia nacional, como gastos públicos excessivos e crescentes; baixa produtividade; juros em ascensão e superiores aos praticados em todo o mundo; carga tributária e encargos sociais elevados e baixo nível de poupança interna. Tudo isso agravado por uma infraestrutura deficiente e repleta de gargalos.

Para o presidente da Fiep, estes são fatores restritivos que determinam taxas de crescimento incompatíveis com o potencial de recursos disponíveis, porém subutilizados ou desperdiçados. “Tudo isso trava a realização de um maior volume de investimentos privados que poderiam contribuir para o desenvolvimento do país”, pontua.

Maiores quedas – Em relação às vendas, ao longo de 2016, quatorze dos dezoito gêneros pesquisados registraram desempenho negativo. As maiores quedas foram em ‘Móveis’ (-35,91%); ‘Produtos Químicos’ (-21,3%) e ‘Vestuário’ (-19,89%). Registraram desempenho positivo ‘Têxteis’ (+17,29%); ‘Edição e Impressão’ (+12,28%) e ‘Celulose e Papel’ (+5,38%).

Especificamente no mês de dezembro, as vendas da indústria paranaense caíram 6,75% em comparação com novembro. Comparando dezembro de 2016 com o mesmo mês de 2015 a queda foi de 6,07%.  A retração neste período se deve ao desempenho negativo de quinze dos dezoito gêneros pesquisados. Dois dos três gêneros de maior participação relativa na indústria paranaense apresentaram recuo: ‘Veículos Automotores’ (-12,52%) e ‘Alimentos e Bebidas’ (-6,35%). No caso dos veículos, o resultado é consequência da retomada do nível normal de vendas após o tradicional aumento de novembro. Em relação a alimentos e bebidas a queda foi motivada pela menor demanda.

As maiores quedas nas vendas em dezembro foram verificados em ‘Produtos Químicos’ (-25,64%), devido ao ajuste após o aumento verificado em novembro; Têxteis (-25,53%) e Metalúrgica Básica (-25,22%), ambos por queda sazonal. No mês, as maiores altas foram registradas em ‘Celulose e Papel’ (+8,35%), pelo aumento das exportações; ‘Máquinas e Equipamentos’ (+1,24%) devido à venda de máquinas e implementos agrícolas e de máquinas para o setor de madeira; e ‘Refino de Petróleo e Produção de Álcool’ (+0,98%) devido à maior produção de derivados de petróleo e álcool.

Compra de insumos – Ao longo de todo o ano de 2016 as compras de insumos pelas indústrias acumularam queda de 5,97%. Só no mês de dezembro a retração foi de 6,62%, acompanhando o sentido do desempenho de vendas. De acordo com análise dos economistas da Fiep, a compra menor de insumos é um indicativo de que não há esperança de um início de ano favorável em relação à atividade industrial. As compras de insumos dentro do Paraná recuaram 4,64%, as procedentes de outros estados caíram 2,78% e as importações de insumos ficaram 23,49% menores. Em dezembro, os setores com maiores quedas na compra de insumos foram ‘Têxteis’ (-34,69%); ‘Refino de Petróleo e Produção de Álcool’ (-29,86%); e ‘Vestuário’ (-22,91%). Os setores que compraram mais insumos foram ‘Produtos de Metal’ (+25,85%); ‘Couros e Calçados’ (+17,98%) e ‘Celulose e Papel’ (+8,24%).

Emprego – Quatorze dos dezoito gêneros pesquisados registraram resultados negativo no nível de emprego em 2016 em comparação com o ano anterior. As maiores quedas foram nos gêneros ‘Têxteis’ (-30,37%); ‘Refino de Petróleo e Produção de Álcool’ (-18,42%) e ‘Máquinas e Equipamentos’ (-16,08%). Os maiores aumentos foram registrados em ‘Celulose e Papel’ (+3,05%), ‘Madeira’ (+2,20%) e ‘Vestuário’ (+1,96%). A utilização da capacidade instalada caiu dois pontos percentuais em dezembro, situando-se em 69%. Este nível de utilização de capacidade é um ponto percentual superior ao registrado em dezembro de 2015.

Acesse a pesquisa na íntegra clicando no link.

About Author